terça-feira, 15 de novembro de 2011

Domando a Fera

Domando a Fera

Paulo da Costa
 

Senhor Deus formou, pois, o homem do barro da terra, e inspirou-lhe nas narinas um sopro de vida e o homem se tornou um ser vivente.” (Gn 2,7)

                Deus soprou nas narinas do primeiro homem e o formou  sua imagem e semelhança(Gn 1,27). Assim dessa maneira ele se diferencia de forma singular de todas as outras criaturas, pois ao soprar seu santo espírito,fez  morada o coração do homem, e fazendo  de todo o corpo do homem, seu santuário onde a cabeça se manifesta as inspirações do alto e no coração o amor de divino. Independente disso não se pode esquecer nossa natureza animal, apesar de sermos racional somos animais. Temos nossos instintos e desejos  como todos os outras criaturas e comparando ambos observamos muita coisa em comum, mas o que nos diferencia realmente é a nossa capacidade de refletir, racionalizar de forma centrada ou pelos menos era para ser dessa forma.

                 Mas olhando o histórico da humanidade em diversas civilizações desde seu primórdio, observamos que ele ainda é escravo de seus instintos e desejos, a sua alma acaba sendo refém de suas próprias inclinações, impulsionados pelos instintos primários, que tem como mestra o orgulho. Não podemos esquecer o dom precioso que Deus nos deu, que  foi seu espírito,fazendo morada dentro de nós.Por isso,é importante descobrir se Cristo, realmente se tornou o senhor de sua vida e que junto com ele buscou o objetivo de aprender  a dominar sua humanidade  para o divino se manifestar. Não de forma repressiva e radical, pois devemos comparar nossas inclinações como animal selvagem que precisam ser domado, e para conquistar um animal feroz de forma segura sem medo de ser pego de surpresa é necessário conquista-lo, para isso você tem que conhece-lo(auto conhecimento) respeitando suas limitações e assim ao poucos a fera se sentirá segura próxima de sua pessoa. Não é na radicalidade que vamos superar nossas limitações é necessário primeiro identificar as limitações e inclinações para depois se trabalhar de forma gradativa sem queimar nenhuma das etapas. Para aprender a dominar nossa humanidade é necessário estar sempre próximo (íntimo)do mestre recebendo seu direcionamento, bebendo de suas palavras e unido a Ele através dos sacramentos,podemos  como bons e fieis discípulos,transcender em nosso espirito buscando cada vez mais as coisas do alto.

Paz e Bem!

Coração Reflexo da alma

Coração Reflexo da alma

Paulo da Costa

"Escutai e compreendei. O que torna alguém impuro não é o que entra pela boca, mas o que sai da boca, isso é que o torna impuro”.   ( Mt 15,11)

         Cristo aproveita a situação, diante da multidão e os exorta a todos a uma reflexão sobre a sua vida e o que fazem com ela. No mundo de hoje assim como naquela época, a humanidade sempre deu uma importação maior ao que é exterior, as aparência. Mas Cristo nos convida a uma viajem talvez nunca exploradas pelo o individuo. Uma viaje fantástica e que jamais seria comparável a nenhumas das oitavas maravilhas do mundo atual e remoto da humanidade. Ele nos convida ao viajem ao nosso intimo, o interior de nossa alma e percebermos como ela se encontra atualmente, digna ou não de ser morada de nosso amado... Lá onde Ele (Cristo) se encontra, onde é a morada da santíssima trindade, o nosso coração.

         Realmente nosso corpo (coração) é a morada do senhor, mas nem sempre ou infelizmente na maioria das vezes não deixamos nos conduzir pelo Cristo, senhor de nossa vida, e deixamos entrar em nossa morada tudo que é ruim (egoísmo, inveja, ódio). Esses sentimentos deploráveis, diante de nossas fraquezas nos dominam e escravizam totalmente, tornando-nos submisso aos seus impulsos que nos desfigura de nossa imagem semelhança original de Deus. Quando somos dominados por esse ruim sentimento e nos transvestimos de bom, com falso moralismo, nos tornamos hipócritas (Cegos guiando cegos), usando mascaras de santos homens. Que muitas das vezes se acham no direito em exortar, e principalmente de julgar e condenar seu próximo (que na maioria das vezes é ignorante por falta de oportunidade de experimentar verdadeiramente Deus causado por maus e incompetentes dirigentes). Sem perceber o grande mau que faz a si mesmo e principalmente ao semelhante.

         Por isso não é o que entra em nossa boca (aparência, costumes e etc.), que nos torna impuro, mas sim o que sai de nossa boca (coração). Não adianta ser engajado, ser um coordenador, padre ou bispo, com um coração cheio de maus sentimentos, pois sendo refém deles nada produziremos de bom e envenenaremos cada vez mais nosso próprio coração (Morada do Senhor) até cairmos no buraco como cegos arrastando outros cegos.

Paz e Bem!

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Silenciar...


Silêncio
Paulo da Costa

            Na sociedade atual, um dos maiores desafios são a capacidade de silenciar. Isso reflete de forma clara a degeneração no mundo de hoje, cercada de todos os tipos de violências. Onde a indiferença, a intolerância, o egoísmo exacerbado predomina levando as alturas o índice de violência. Em média no Brasil morrem vitimas da violência, uma quantidade que superam guerras que duram meses ou até anos, como por exemplo, as guerras no Oriente Médio. Mas você pode se perguntar o que tudo isso tem haver com o silêncio. Mas posso responder que a base de uma nova sociedade, mas tolerante e fraterna, só é possível se inicialmente houver o silenciar. Pois só podemos nos conhecer melhor e melhorarmos a nossa humanidade através de nossas reflexões sobre os nossos atos e pensamentos.
            É através do silenciar que nos encontramos com o nosso verdadeiro EU, sem deixar se contaminar a sociedade barulhenta e excessivamente poluída sonoramente, ditando a forma especifica de vida (consumista e individualista ) segundo seus interesses. Silenciar também não é simplesmente calar a boca e ficar isolado, silenciar é limpar a mente de toda tagarelice mental, de todos os problemas e assuntos fúteis. Esse encontro só possível numa verdadeira entrega ao seu EU interno, fitando somente esse objetivo com o fim único. Deus nos convida a encontrar o EU interior, que é a sua imagem e semelhança. Que se faz presente e encarnado dentro de nós, sendo esse motivo o nosso corpo morada do Espírito Santo, que para podermos estarmos em comunhão  com templo do Santo Espírito é necessário  trilhar o caminho que leve a esse fim.E esse caminho se chama silencio
Continua...

Paz e Bem!

Silenciar... II

Silêncio – 2º Parte

Paulo da Costa

         Quando Cristo fala da destruição do templo e seu erguimento em três dias , ele faz uma alusão a sua morte e ressurreição,mas também nos mostra o caminho a trilhar,pois antes iniciar a sua missão foi ao deserto (encontro com seu Eu – Silenciar) para ouvir o Pai. Cristo varias vezes é relatado nas escrituras sagrada subindo ao monte, e após a sua morte ele passa três dia no sepulcro no silêncio e entra em plena comunhão com o Pai, e logo retorna num corpo glorificado, já preparando a vinda do Paráclito.

         Cristo nós convida a silenciar (deserto), ele nos chama a um encontro no Templo interior para nos orientar e capacitar sobre a nossa missão. No exercício do silenciar descobrimos verdadeiramente quem somos, com nossas fragilidades e potencialidades, mas para isso ser possível é fundamental ter humildade para poder se ver Face-a-Face (Eu interno-Eu externo) e exercitando uma reforma intima continua. Só assim podemos buscar inspirar ser um instrumento de Deus (Novo Homem).Já a oração é o exercício fundamental q nos leva a silenciar. Claro que existe diversas formas de orar, mas todas têm que ter o mesmo fim. Que é silenciar, pois para ouvir a voz do Pai tem que silenciar! Ao atingir esse momento ( encontro no templo), a unidade com o pai se torna favorável ao dialogo onde podemos ouvir palavras vivas, eternas, de suma sabedoria ( a voz  de Deus).

         Podemos também exercitar viver uma vida de oração continua, do acordar ao dormir. Assim viviam os grandes Místicos. Não é fácil, mas não é impossível. Para podermos viver uma vida de oração é necessário nunca tira o foco de Deus (Sumo Bem), por mais que exista contratempo e muita situação de dispersão, busquemos retornar sempre ao foco, que é Deus! Meditando nos sutis sinais que revelam sua infinita grandeza e agindo com sabedoria nos momentos oportunos para glorificar seu santo nome.Não podemos também esquecer dos sacramentos, principalmente os sacramentos da Penitência e da Eucaristia, pois são os suportes (colunas) essências para a concretização do nosso encontro com a Santíssima Trindade no templo do Senhor.

Paz e Bem!

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Jesus e a figueira

Jesus e a figueira

Paulo da Costa

"De manhã,ao voltar para a cidade,teve fome. Avistando uma figueira à beira do caminho,dirigiu-se a ela,mas não achou nela senão folhas.E disse-lhe:Nunca mais nasça fruto de ti.E a figueira secou imediatamente." (Mateus 21:18-19)

         Esse Trecho bíblico, contextualizado pra a nossa realidade nos mostra uma arvore cheia de folhas, mas sem nenhum fruto. È retrato de uma sociedade estéril, onde vivem somente se impondo através de sua aparente grandeza, mas que nada produz para engrandecer seus habitantes. Essa sociedade é o reflexo de seus habitantes que também estão adormecidos em seus sepulcros sem nada produzirem. Vivem de ilusões desse mundo (Somente folhas). São arrastados por falsas ideologias e é bombardeado por meio da mídia apelativa, que seu único objetivo é o lucro, que se travesti de algo bom para ser consumido seus produto, que se torna uma forma sagaz de escravizar os cegos e ignorantes do Deus Vivo e Eterno.

         Jesus nos mostra através desse trecho bíblico a atitude de um verdadeiro discípulo. Ao se aproximar da figueira e percebendo a falta de frutos ele manifesta sua autoridade de profeta. Que denuncia e faz cair por terra (Figueira Seca) toda mentira que ilude e escraviza. Assim deve se a verdadeira atitude daqueles que realmente experimentou o Deus vivo se tornando arauto de Cristo, anunciando a boa nova e denunciando as injustiças. (Jer 1,4-10), mas isso só possível pra aqueles que já saíram de seu sepulcro e se tornaram novas criaturas. Onde deixaram de ser homens velhos (escravos dos pecados) para se tornar verdadeiramente filhos de Deus. Isso tudo começa partir do encontro real com o Cristo que se inicia indo ao deserto (interiorização),pois  todos os grandes profetas bíblicos inicialmente iam ao deserto (ou ao monte)  para beber e se alimentar das coisas do alto, se fortalecendo espiritualmente, pra a missão.

         Todo aquele que estar comprometido com Cristo na missão que ele nos direcionou em sua ascensão (Mc 16,14-20). Sabe que é fundamental estar ligado ao seu Corpo-Igreja através dos sacramentos e de todos os direcionamentos espirituais de nossos pastores eclesiais, mantendo sempre a vigilância, sendo humildes servos do Senhor, promovendo a vida, denunciando e combatendo sempre a cultura de morte.

Paz e Bem!

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

O Reino dos Céus está próximo!

        O Reino dos Céus está próximo!          

Paulo da Costa


"Jesus chamou os discípulos e deu-lhes poder de expulsar os espíritos maus e de curar todo tipo de doenças e enfermidades, e depois os enviou com as seguintes recomendações:  Não deveis ir onde moram os pagãos, nem entrar nas cidades dos samaritanos! Ide, antes, às ovelhas perdidas da casa de Israel! Em vosso caminho, anunciai: ‘O Reino dos Céus está próximo’”. (Mateus 10,1-7)

         Cristo nos convida primeiramente a nos encontrar com Ele, numa convivência (experiência), através do silêncio (Interiorização) e do dialogo (oração). Para termos uma intimidade com Ele e podermos experimentar da sua misericórdia. Sendo formado e capacitado por Cristo, somos direcionados por seu Santo Espírito á nos tornar sal e luz no mundo. Mas antes é necessário sermos evangelizados e percebermos que o reino dos céus se tornou presente dentro de nós (templo da santíssima Trindade). É importante também, percebermos que não podemos seguir aos confins do mundo se nem antes evangelizamos os nossos! Os que estão próximo de nós, nossos familiares, amigos e inimigos.

         Não devemos cair na cilada da empolgação e da vaidade de nos sentirmos Super-Apóstolos cheio de falsa autoridade (julgar e condenar) e de achar o único detentor da verdade (Puritanos e Hipócritas). Busquemos seguir o caminho de Cristo misericordioso, simples, e rígido quando necessário. Sendo assim, assemelharíamos muito com Cristo que sempre respeitou as diferenças e foi muito acolhedor, pois somente através da humildade e da simplicidade que poderemos concretizar sua ordem. Somos presença do reino dos céus para o próximo, quando deixamos Cristo se manifestar em nossa vida, através do anúncio da boa nova de forma concreta, frutificando sempre por intermédio do Santo Espírito que guia nossos pensamentos e atitudes.

Paz e Bem!

O Poder da Oração

Oração
Paulo da Costa

            Quando se falar em oração, muitas vezes nos referimos a um dialogo com Deus. Mais é algo muito além, muito profundo. A oração é uma experiência, um encontro com Deus, e Deus está presente em nós, desde sempre. “Somos o templo de Deus” (1 Cor 3,16) do Deus uno e trino, logo somos templo da Santíssima Trindade. Há presença de Deus em nós, mas falta nossa presença diante de Deus. Geralmente não temos consciência disso. Vivemos na superfície, no contorno de nossa pessoa. Procuramos Deus fora de nós, quando ele está dentro. Devemos descer as profundezas de nosso ser para tomar consciência de Sua presença continua em nós.
            Deus marca o encontro dentro de nós próprio, a cada instante. A Santíssima Trindade Chama-nos e espera por nós a cada momento de nossas vidas. Estamos no templo do Senhor, mas além disso, somos o templos vivos do Senhor. Vamos ao encontro com Deus em nossos templos vivos, que somos nós. É preciso que procuremos os caminhos que nos levam onde Deus reside, isto é, entrar em oração.Quando falamos em oração, criamos mentalmente a imagem de pessoas na igreja ou em atitude de prece. Esses são gestos, maneiras especificas de oração, mas a oração não se limita a esses momentos, ela abrange todos os atos de nossa vida, em qualquer situação que nos encontremos. Que busquemos não simplesmente dialogar com Deus, como se fosse um simples momento de conversa, mas que no dia-a-dia, no nosso cotidiano, deva ser uma constante vida de oração.
            Orar é como alimentar-se, nós não estamos sempre nos alimentando, mas estamos sempre elaborando e transformando em nós os alimentos que ingerimos. Assim também deve ser a nossa oração. Há momentos fortes em que nós nos dedicamos exclusivamente a orar. Esses momentos, porém, devem depois refletir-se em todas as nossas ações. Quando se come e não digeri o alimento, naturalmente o organismo reage nos acusando que algo fez mal ao corpo. Assim também é a oração, quando não transformamos a oração em vida, em algo concreto na nossa vida, se tornar uma oração enfadonha, alienante e sem sentido.
            Devemos sempre, buscar viver em clima de oração, estar sintonizado com Jesus, através da própria oração, da Palavra de Deus e dos sacramentos em dia, porque senão seremos subnutridos espiritualmente; Qualquer coisa nos fará revoltados, angustiados, aflitos e outras mazelas a mais, onde somente Jesus cura, mas para isso é necessário encontrar com Ele. Jesus vivia constantemente em oração, não que Ele ficasse o dia inteiro rezando, a sua oração era a própria vida, todas as sua ações feitas na fé, no amor, na serenidade, na paz, nos demonstram que Ele vivia em continua união com o Pai. E Jesus nos convidar a fazer o mesmo. Vá e busque experimentar essa comunhão com o Pai e o Filho através do Espírito Santo.

Paz e Bem!