sábado, 18 de julho de 2015

Trevas do Infinito

Zé Chibata e o encardido
nas trevas do Infinito
Autor & Diretor: Paulo da Costa


Personagens
·         Zé Chibata 
·         Encardido 
·         Voz Divina 
·         Calazar 
Cena I

Zé Chibata entra em cena correndo fugindo da morte, dos tiros do cangaceiro que ele fez de besta!

Calazar - (somente a voz): Zé Chibata, correr Zé Chibata... (som de tiro e um forte grito demorado de Calazar) Zé Chibata!!

Cena II

Tudo escuro  (Baixa luz) e João Grilo se levanta atordoado

Zé Chibata - Onde estou? Que leseira é essa ?     Que lugar é esse tudo escuro, diabo de catinga é essa, nan ... ( Ouve-se uma gargalhada)

Encardido - Hahahahahahahahahaahahahah, Ola Zé Chibata que prazer em te conhecer, hahaahahahahahah ouvi muito de suas danações lá pelo sertão...

Zé Chibata - Hi! Lascou, tô achando que pela tua feiura e por essa catinga muito da pôde, que tu é o danado do encardido...

Encardido - Como é que é? Já fui um belo anjo chamado lúcifer...

Zé Chibata - Belo? Bonito? só se foi pra tu mãe, toda mãe diz que seu filhinho é lindo por mais feio que seja. Ô catinga pôde!nan...

Encardido - Deixa de besteira, tu ta é lascado pois quem entra aqui não sai mais, ahahahahahahah

Zé Chibata - Oxe! Tu pensa que sou besta é? Sei a quem socorrer. Me lembro do tempo de menino no catecismo, que Jesus pode me resgata e vim ao meu auxilio... (se ajoelhando) Ô meu Jesus pela tua santa mãezinha vem e me socorre desse bicho feio!

Voz Divina - Filhinho pela minha sabedoria que se faz presente em ti, tu irá se salvar!

Encardido - Arriegua! de novo não!

Zé Chibata - Olhe olhe! é melhor obedecer seu fedorento...

Encardido - Tu acha que sou besta é?

Zé Chibata - Besta não sei, mas a cara ta igualzinha ...

Encardido - Pois bem! Ele falou em sabedoria, então vamos ver se tu tem mesmo seu fi duma égua... Vou te fazer três pergunta se tu responder as três tu volta parar aquele sertão de rachar o quengo, mas se tu erra se lasca de vez no fogo do inferno hahahahahahahahah

Zé Chibata - Vai de retro besouro do cão! Fala que eu te escuto seu baitinga...

Encardido - Pois então vou perguntar,  qual é a distância de uma ponta do mundo a outra?

Zé Chibata -  A mesma de um dia todo percorrido pelo sol.

Encardido - O que que tem acima do rei?

Zé Chibata - A coroa.

Encardido - Em que eu estou pensando agora?

Zé Chibata - Em me ganhar.

Encardido - Nãoooooooooooooooo (gritando), Seu fi duma égua, tu escapou dessa vez, mas estou na espreita só de olho...

Zé Chibata - Já que me safei quero te fazer só uma charadinha. Qual o bicho que mais parece com o homem?

Encardido - Oxe! Essa é fácil de mais. è o macaco...

Zé Chibata - Aquele que te deu um chute no rabo!(Dá um ponta pé no bum bum do capeta)

Encardido - Tu me paga seu fi duma égua!

Zé Chibata - Vai pra lá besouro do cão... Ô sono! me deu uma leseira, vou deitar um pouquinho antes de partir.

Cena III

Zé Chibato, acorda e ainda deitado percebe a chegada de Calazar e se faz de morto

Calazar - Meu Deus o que vou fazer aqui sem Zé Chibata? Meu amigo chibatinha agora é finado... Espera ai, tem uma papel aqui no bolso da calça! É um ultimo desejo que eu toque a sua musica favorita no seu enterro. Que seja feita a sua vontade

Ao tocar a música, Zé Chibata que está por traz de Calazar começa a se levantar dançando, e levemente fica tocando insistentemente no ombro de Calazar que lamenta a dor da morte do amigo

Calazar - Meu finado amigo, que tristeza faz em sentir sua falta! O que será de mim amigo sem você? Eu aqui e tu aí que jajá vai fica de baixo de sete palmo... (Calazar fica afastando a mão de ombro durante o discurso até que olha pra traz e leva um grande susto)

Calazar - Valei-me meu padim Ciço! Mando teus morto de volta pra cova...

Zé Chibata - Oxe! Deixa de besteira to vivinho da silva, não sou fantasma não seu bocó...

Calazar - Zé Chibata? é tu mesmo? Tú ta vivo?

Zé Chibata - Claro né? tu já viu morto falar? seu baitinga...

Se abraçam de alegria e começa tocar a música... final 
(Cumprimentam a plateia)

Fim


Uma homenagem ao nosso querido Ariano Suassuna 
* 16/06/1927  + 23/07/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário