sábado, 22 de abril de 2017

Reflexão Casual LVI


“Os verdadeiros anjos e demônios são cada um de nós, eu e você no meio em que vivemos. O que irá definir o que seremos em cada momento será nossas próprias atitudes que levará muitos a elevação ou a perdição.”

Paulinopax

sábado, 1 de abril de 2017

Reflexão Casual LV


“A Idolatria só existe por ignorância humana na necessidade de exteriorizar a divindade real que se faz presente em cada um de nós.”

Paulinopax

sábado, 18 de março de 2017

Reflexão Casual LIV


“Por mais aparente que seja não ter sentido a vida, devemos procurá-la ou ao menos lhe dar certo sentido, se não seremos arrastados pela profunda melancolia ou devorados pelos delírios da loucura.”

Paulinopax

sábado, 4 de março de 2017

Amar e viver como Cristo nos ensinou...

Antropologia Teológica - Final

Paulo da Costa Paiva, OFS


            Essas três dimensões não se pode se igualada ao mesmo patamar, pois as duas primeiras são de ordem positiva referindo a sua constituição do próprio homem na sua relação com Deus no plano de salvação, já a terceira dimensão que é de ordem negativa, é também um fator histórico que não deveria existir que desfigura e destrói a própria dignidade humana. Jamais se pode deixar de lado esse ponto, pois nos revela a realidade que pertence a nossa própria condição humana que seria incompleta na relação com Deus. Porque experimentamos da graça divina sendo objeto do seu amor que são fundamental para o perdão e acolhimento  do pecador manifestado pelo seu filho Jesus que é justificado pela sua misericórdia. (14,4)

            Deve se deixar claro que as três dimensões na relação para com Deus, não se dá no  sentido cronológico que se deve superar cada etapa no exito pessoal na história da salvação,  ou muito menos que se refira a três homens mas somente a um só que é cada um de nós na nossa individualidade. É inquestionável a nossa condição de criatura, pois deixar de ser criatura seriamos resumido ao nada, mas no que se refere a alta complexidade da relação do perdão e graça tanto na "história salutis" como na vida pessoal de cada cristão (15,1), no revela que  Cristo ao morrer e ressuscitar ao terceiro dia, venceu o pecado e a morte e fomos redimidos pelo seu infinito amor e inserido no batismo por intermédio seu  se tornando um fator determinante na história pessoal de cada cristão. Essa ação foi atemporal independente de qual período histórico Ele tenha manisfestado a verdade revelada, toda humanidade antes e depois do acontecimento históricos foram agraciados pelo seu infinito amor.

            Não podemos dizer que o pecado foi eliminado totalmente da face da terra após a pascoa ou radicalmente do coração de cada batizado, pois é na peleja diária que nos  revela o contrario. O pecado continua no mundo e no homem persistindo como um sinal, com suas consequências e interrogações sobre o seu fim último, mas sem jamais ignorar a esperança na contemplação dessas três dimensões  que definem a relação entre o homem e Deus, unidos diante de toda as diversidade históricas.  Por isso um conhecimento sobre o homem no ponto de vista de sua relação com Deus se constitui como o objeto fundamental da Antropologia Teológica (15,2) apresentando sua condição, agindo e vivendo  no mundo e na história, nos mostrando que a reflexão sobre a criação independente em que contexto se encontre sempre mostra sua intima relação com a própria antropologia como nos mostra os primeiros capítulos de Gênesis. Outros pontos importante, é a existência da fé cristã assim como a esperança e a caridade que são integrante dessa própria antropologia teológica como também cristologia e eclesiologia junto a escatologia, mostrando o fim único do homem e de todo projeto de Deus, apresentando o estado de plenitude da humanidade agraciada por Deus (16,2).


Pax!

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Reflexão Casual LIII


“Como experimentar os Céus se procuras o inferno? Reveja suas metas, e principalmente as suas atitudes, pois isso mostrará os caminhos que te levaram á insensatez de suas conseqüências.”

Paulinopax

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Deus amou tanto a humanidade que mandou seu Filho ao mundo

Antropologia Teológica II

Paulo da Costa Paiva, OFS


            A relação com Deus, se torna possível por intermédio de Cristo e isso acontece  sistematicamente, possibilitando ter uma visão panorâmica da vivência concreta do amor do Pai, onde o homem possa ter por intermédio da fé uma visão de si, na sua própria essência, sendo fundamental identificar as referências dessa relação com Deus, que podemos destacar em três dimensões. Primeiramente que Deus amou tanto a humanidade que mandou seu Filho ao mundo , e por intermédio de Jesus que nos revela o homem em sua essência, na vocação definitiva e ultima do homem onde tudo é graça divina em favor da humanidade, que pelo seu santo espirito se torna viável revelando seu mistério e infinito amor a cada um de nós.

            Outro ponto importante é que somos chamados por Deus uno e trino a uma comunhão por toda eternidade , e isso torna possível pela graça divina e pela liberdade que dá cada um de nós que primeiro nos amou cabendo a nós a responder  (ou não) a vida em plenitude. Mas é de fundamental importância compreendermos que não somos seres sem consistência própria, pois se fossemos não tinha sentido sua a realização plena em cada um de nós por intermédio de seu chamado. Devemos ter consciência de nossa condição de criaturas que somos, criaturas essas que são únicos para Deus, sendo a condição de criatura fundamental no qual fomos formado a sua imagem e semelhança que se torna latente por nossas limitações e por intermédio de Cristo nos tornamos homens na sua total plenitude,  no seu fim ultimo que caminha para Ele em perfeita comunhão.

            Não se deve esquecer da condição humana em que se encontra, sobre a o signo do pecado que vem desde inicio da humanidade conhecida como "pecado original". Deus desde do inicio da Criação tinha o homem como sua maior criação, que nos criou por amor , o amor de Pai para filho que por infidelidade não lhe deste a acolhida adequada, somente indiferença e rejeição por parte da humanidade.  O homem é chamado a viver em sociedade independente em que situação das três dimensões seja apresentada em sua relação com Deus, pois não se pode considerá-lo isoladamente ou em sua relação ao outro. Pois em sociedade o homem como criatura predileta de Deus mesmo em situação de pecado demonstra solidariedade mútua no exercício do perdão e do amor ao próximo sendo igreja no dia a dia na convivência de irmãos na graça e do amor de Deus para com todos.

Continua...


Pax!

sábado, 21 de janeiro de 2017

A revelação dada por Deus em Cristo a humanidade

Antropologia Teológica

Paulo da Costa Paiva, OFS


            A antropologia como um assunto que tem como objeto de estudo o próprio homem , mas tendo o homem como material de estudo, mostra também a sua alta complexidade em suas diversas dimensões, realidades e pontos de vistas a ser analisada. É a partir de um  ponto de vista especifico  que se desenvolve esse texto, numa dimensão teológica, e falando da teologia nos aponta  ao estudo relacionado a Deus," tratando do que o homem é em sua relação com Deus Uno e Trino revelado em Cristo " (11, 1).  Mas para se chegar ao objetivo  sobre o material de estudo que é o próprio homem é fundamental uma metodologia para se obter o resultado desejável a partir da revelação anunciada por Cristo Jesus, e quando se fala em revelação ´divina, nos mostra que é Deus que se dá a conhecer (11, 2), se torna acessivo a humanidade por intermédio do seu próprio Filho Jesus.

            A revelação dada por Deus em Cristo a humanidade não nos torna somente destinatário mas o próprio objeto da verdade revelada, pois ao acolher a boa nova e vivência-la o homem descobre a sua verdadeira vocação. ao experimentar o amor por excelência e ter acesso ao mistério do Pai que até antes era velada e por  intermédio de seu filhou se tornou luz para mundo,  e através de sua missão e pelo seu testemunho  se torna para nós modelo de vida em perfeição na comunhão com Deus, mostrado-nos as consequências ultimas que poderemos chegar descobrindo como é o homem na própria essência , verdade essa que se torna salvação, por está em comunhão com Pai  tornando-nos também objeto da revelação, sendo nós luz de Cristo, vivenciando esse amor e mistério divino se tornando possível uma visão panorâmica e original do próprio homem que só é  acessível na fé, tornando-nos o objeto de estudo na antropologia denominada teológica.

            O homem para se ter compreensão ultima e mais profunda de si mesmo, de quem é ele na sua essência, deve ter a consciência que é de fato o objeto privilegiado do amor de Deus (12,2), como seres amados e criado exclusivamente para estarmos junto a Ele . Isso só é possível numa relação entre o homem e Deus de forma unica e singular na mas profunda e perfeita comunhão. Deus nos criastes livres e responsáveis pelos nosso próprios atos podendo dessa forma buscar conhecimento sobre si que o leva ao fim único da suma sabedoria que torna acessível através da verdade revelada que se manifesta por seu Filho Jesus que só torna  acessivo pela fé mas não sendo a única fonte de conhecimento sobre homem, todo conhecimento acessível e vivenciado pelo homem como dados proveniente da própria filosofia como também das ciência humanas são ferramentas que nos leva ao conhecimento pleno que leva ao sumo Bem.

Continua...


Pax!


* «Orans – Pintura sobre reboco do século III nas Catacumbas Romanas. Representa uma mulher com os braços levantados em súplica e oração num cenário que sugere o paraíso. Sob a pintura, os loculi, ou sepulturas escavadas na rocha»

sábado, 7 de janeiro de 2017

Reflexão Casual LII


“Será que está sendo você mesmo ou se tornou um efêmero personagem em uma vida de ilusões? Interpretando a grande mentira da sua vida, onde sequer, é o próprio protagonista, não passando de um mero figurante no seu palco onde outros te dirigem, arrastando-te e conduzindo-te segundo seus próprios interesses e caprichos.”

Paulinopax