sábado, 18 de novembro de 2017

Jesus, a humanização de Deus III

Jesus, palavra do Deus encarnado
Paulo da Costa Paiva


                Jesus é a palavra de Deus, o verbo que se fez carne que como foi falado anteriormente, sempre esteve na presença de Deus pois era Deus, assim está registrado nas escritura sagrada. Para o povo de todo o oriente antigo a palavra não se limitava simplesmente  ao sentido indicativo ou formativo, mas ia muito além. Palavra para o povo antigo do Oriente estava relacionado a autoridade, a algo concreto e de poder. Dar a palavra era como sua própria alma estivesse em jogo, pois não ter palavra seria mesmo que não existir, era sem valor e desprezado por todos. O poder da Palavra era como ultimato, se concretizava na realidade das coisas, da vida e das situações. No novo testamento Jesus ao iniciar seu ministério pregava com autoridade que incomodavam alguns, mas que transformava a realidade de muitos, pois sua palavra era viva que tocava, curava e restaurava a dignidade humana de muitos que estavam às margens da sociedade em sua época. Trouxe esperança para aqueles que já estavam desesperançados, pois eram considerados impuros indignos e esquecidos por Deus (coxos, cegos, leprosos, prostitutas, órfãos, viúvas, estrangeiros etc.). Jesus ao falar era o próprio Deus proclamando no meio de Seu povo, suas palavras e os seus atos se identificavam de tal forma que estavam em profunda comunhão demonstrando o poder de Deus que curava e ressuscitava para gloria do Senhor, ao ponto de expulsar demônio e todo tipo de mazelas que atormentavam o povo sofredor.

                Deus que na criação se expressava em cada ato, que se concretizava pela palavra (o Verbo), e reconhecia como bom (Gn 1), assim também, tudo que vinha da boca de Jesus que humano és tão semelhante quanto Adão o primeiro homem, que o próprio pronunciaste na criação que não era simplesmente bom (o homem), mas muito bom (Gn 1, 31) se tornando Palavra de vida eterna, manifestando-se em cada ato de Jesus na história da salvação, pois tudo que proclamava em palavras e atitudes era muito bom, portanto tudo que és bom, vinha do coração de Deus e o verbo era Deus que veio dar a vida em abundância a toda humanidade. Mas isso só foi possível porque Deus se tornar-te presente no meio de nós, sentindo na  convivência diante de nossas miséria e dores,e se compadecendo. Ele ao se encarnar,  Jesus se tornou, sendo a imagem divina encarnada, tornando-se reflexo por excelência do sumo bem eterno e não criado.  Nesse mistério da encarnação, Deus se faz presente entre seu povo sendo Jesus, mas não necessariamente numa divinização do humano, mas acima de tudo como humanização divina. Se tornando acessível a todos e podendo se compadecer de todos a cume de ser esvaziar-se e de dar a própria vida por toda humanidade no madeiro da cruz, como conseqüência última da fidelidade do anúncio do reino que corroía os corações de pedra das autoridades da época que não suportava a verdade proclamada e concretizada em Jesus, o Cristo.

Paz e Bem!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário