sábado, 17 de setembro de 2016

Ele vai transfigurar nosso corpo humilhado, conformando-o ao seu corpo glorioso (Fl 3,21)


Transfiguração de Jesus
Paulo da Costa Paiva, OFS

Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e conduziu-os à parte a uma alta montanha. Lá se transfigurou na presença deles: seu rosto brilhou como o sol,suas vestes tornaram-se resplandecentes de brancura.E eis que apareceram Moisés e Elias conversando com ele. ( Mt 17, 1-3)

Jesus sobe a montanha junto com três dos seus discípulos, são os que Ele mais comumente os levava consigo para orar e partilhar de sua intimidade mística (Divina), testemunhando e glorificando o poder e a glória de Deus. Mas nesse dia ao subirem, em certo momento enquanto Jesus orava seu rosto e sua veste ficou resplandecente de brancura, surgindo posteriormente Elias e Moisés que junto conversavam sobre o comprimento de sua missão em Jerusalém. Pedro perturbado com tudo que se via naquele exato momento, ficou muito temeroso e totalmente desorientado sem saber o que falava, dizendo se poderia ele levantar três tendas para os profetas que junto a Ele conversava. Nesse momento umas nuvens os envolvem e uma voz do alto se manifesta dizendo: Eis o meu filho muito amado ouviu-o.
Quando Jesus toma consigo os discípulos e sobem juntos ao monte, nos apresenta um convite a cada um de nós a oração, a um encontro com Deus. buscar as coisas do alto é estar se desejando um contato místico, um diálogo com o transcendente, que está muito além da nossa realidade do comum, isso só se é possível na interiorização de nossa consciência que nos leva a oração, ou melhor, dizendo a um encontro com o divino que se faz presente em nós e em tudo que há no universo manifestado (onipresente onipotente e onisciente), mas imperceptível para os adormecidos, cegos e insensíveis para as coisas eternas, presos e acorrentados as coisas meramente efêmeras das ilusões no mundo consumista. Mas quando se despertar e entra em comunhão com o divino cai por terra às escama dos olhos podendo ver uma realidade inigualável.
Moisés e Elias ao se encontrar com Jesus no alto da montanha e que juntos conversavam, nos mostra que naquele momento se apresenta e se confirma as escrituras do Antigo testamento, onde tanto Moisés como Elias foram testemunha da glória de Deus visto do alto da montanha, onde Deus se manifestava anunciando a sua lei e as promessas futuras de redenção para humanidade, que se dará posteriomente pelo o santo sacrifício da nova e eterna aliança provinda pelo cordeiro de Deus, o Messias prometido, confirmando dessa forma que a paixão de seu Filho (Servo sofredor) amado era realmente necessário para o comprimento da Sagrada Escritura. As nuvens envoltas dos profetas como também de Jesus onde se ouvia a voz divina, confirma a sua filiação agradável e divina de Jesus, lembrando também a semelhante situação no batismo junto com João no inicio de sua caminhada como o Messias.
A Transfiguração de Jesus nos mostra a prefiguração da glorificação escatológica, onde Cristo senhor do universo na consumação ultima do gênero humano irá vim glorificado e reunirá os seus na Jerusalém celeste onde o Céu e a terra será um só lugar para os eleitos na presença eterna de Deus. Quando se falava que o Reino de Deus está próximo é o Próprio Jesus que se fazia presente na multidão, Ele que é a tenda por excelência, pois é Deus e se encarnou no mundo, onde sua carne é tenda e sua essência divina é Deus no meio de nós. Assim como Jesus subiu e montanha e transfigurou , somos convidados a subir a montanha e buscar as coisas do alto (o divino), dialogar e principalmente escutar o que Ele nos diz no deserto interior.
Jesus ao se transfigurar, quer nos mostrar que o espírito transcende a própria morte e o que é temporário, e que apesar da morte a vida continua, pois Jesus mesmo sofrendo todos os flagelos que se possa existir  e carregando em seus ombros a miséria humana, no terceiro dia Ele ressuscita com o mesmo corpo flagelado mas agora glorificado pela graça divina de seu Pai. O reino de Deus que se faz próximo é próprio Cristo que se faz presente em cada um de nós, pois sendo nós moradas do Senhor devemos transfigurar (manifestar) O Cristo que há em nós. Isso só é possível numa íntima relação com Deus, numa vida mística de oração e trabalho em favor do reino de Deus que se faz na caridade e no testemunho diário, sendo sal e luz para mundo, carregando (levando) a Cristo a todos sendo verdadeiramente a Tenda do Senhor.

Paz e Bem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário