sábado, 28 de fevereiro de 2015

Pentateuco - 2ª Parte

A Formação do Pentateuco - 2ª Parte
Paulo da Costa


           Sobre sua delimitação ouve certa polêmica sobre a ruptura ou não com os livros de Josué, Juizes, Samuel e Reis; Pois houve quem defendesse que a historiografia original compreendia não somente os cincos livros, mas seis (Hexateuco), sete (Heptateuco), oito (Octateuco,) ou até nove livros (Eneateuco). O livro de Josué aparentemente dar continuidade ao livro de Deuteronômio até a entrada na terra prometida desta forma não teríamos um Pentateuco e sim um Hexateuco onde muito críticos apoiam esse ponto de vista (Bonfrère, Spinoza, Benzinguer, G. Von Rad etc.). Estudiosos como Zenger defendem a tese que em vez de cinco livros seria nove (Eneateuco: Gn- 2Rs), pois visto que nestes livros se desenvolve uma história que vai das Origens do mundo até a destruição do Templo de Jerusalém e consequentemente com o exílio da Babilônia. Outros estudiosos acreditam no oposto que em vez de acréscimo deveria haver a ruptura com outro livro do próprio Pentateuco, que seria o livro do Deuteronômio que seria considerado como o prefácio de uma grande obra histórica (Obra deuteronomista), que se estenderia de Moisés até o exílio na Babilônia.

            A tradição judaica levou naturalmente a designação do Pentateuco á Moisés  o autor dos cincos primeiros livros da toráh, contudo muitas contradições podem ser claramente observadas nos textos que revelam que são proveniente de fontes diversas. O que despertaram a desconfiança dos estudiosos foram algo que vai muito além do anacronismo identificado nos textos, pois as diversidade literária encontrada no Pentateuco, levaram muitos exegetas a levantar a questão das fontes. Algo se mostrou gritante e muito rotineiro nos escritos do Pentateuco que foram que alguns momentos Deus eram chamado de "YHWH" como também de  "Eloim" , dois nome diferente ao mesmo Deus, levaram H.B. Witter (1711) a sugerir duas fontes distinta, esse tese foi plenamente explorado poe Astruc e por Eichhorn poe volta de 1760, propondo que se deveria distinguir em dois documento na qual onde se emprega YHWH como documento Javista e onde se emprega Eloim a documentos  Eloísta.

            Para tentar responder as diversas questões que surgem do texto do Pentateuco, e explicar  a presença de fragmentações literárias surgiram três hipóteses : A teoria documentária afirmava haver duas, três e até mais trama narrativas contínuas redigidas em época diferentes  sendo justaposta uma as outras por sucessores redatores. A teoria dos fragmentos asseverava que originalmente existia diversos e indeterminados textos isolados e sem continuidade narrativa, que foram recolhidos ulteriormente por um ou vários redatores-compiladores. Já a teoria dos complementos admite aparentemente a existência de uma unica narrativa contínua (Eloista), que ao longo dos séculos teria recebido inúmeros acréscimos e complementos, até a sua conclusão como escritos sagrados do Pentateuco.

Continua...


Pax!

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Pentateuco

A Formação do Pentateuco
Paulo da Costa



      O Pentateuco que o conjunto dos cinco primeiros livros da bíblia, que se corresponde aos livros do Gênesis; Êxodo; números, Levítico e Deuteronômio. O livro do Pentateuco se torna uma obra muito peculiar por diversos aspectos, como por exemplo: Não existe uma palavra final que responda de forma plausível o seu processo de formação, os estudiosos não chegaram a um consenso sobre os autores e redenção final, por esse motivo não existe um acordo sobre a extensão deste primeiro Corpus da Bíblia. Outro ponto peculiar são as diversas formas literárias (Hinos, leis, relatos, exortações e etc.), que nos apresenta uma profunda riqueza literária e uma complexidade singular em todo seu texto. Porém toda essa complexidade nos apresenta o motivo de tantas questões literárias existente, divido aos problemas históricos presente em seus textos. Diante dessa situação surge uma aproximação do Pentateuco não somente pela fé como também de uma forma mais crítica para uma busca de uma maior compreensão, surgindo então tais questionamentos: Os relatos representam uma fonte confiável para os historiadores modernos? Em que contextos históricos (Sitz im Leben = Contexto vital) os diferentes autores redigiram as diferentes tradições e/ou as reuniram num corpus literário?

            A palavra Pentateuco é de origem grega, que significa “cinco invólucros” ou "Cinco estojos”. O Pentateuco é o livro que os judeus designavam com o nome de tôrãh, derivada de raiz hebraica que significa instrução e lei, que eram escritos antigamente em rolos de pele e guardados em vasilhas, estojos ou ânforas. Os judeus que viviam em Alexandria, que foram responsável pela versão septuaginta (grega dos LXX) designaram este texto em nomes que, de alguma forma, que refletissem o seu conteúdo: Gênesis indica a origem do mundo e das criaturas; Êxodo Indica a saída do Egito; Levítico indica a legislação relativa aos levitas; Números indica as causas dos recenseamentos relatados; Deuteronômio indica a segunda lei dada nas planícies de Moab, que completariam as prescrições dadas no Sinai. A torah é apresentada como a história de salvação e libertação do povo, que parte da iniciativa pertencente sempre ao Senhor, que dá as leis e as prescrições para seu povo, que se compromete em respeitá-la como resposta á oferta salvifica, que é dom de Deus. O Pentateuco se apresenta como relato e texto normativo indissociáveis, e que desta forma se torna um relato fundamentado na fé se tornando conduta de vida.

            Sua divisão foi concretizada através das considerações realizadas por conta de rupturas do texto dos cincos livros do Pentateuco como, por exemplo: No livro do Gênesis inicia com os relatos da criação a até o termino dos relatos dos Patriarcas; No livro do Êxodo inicia a história do povo de Israel no Egito no qual no livro anterior falava da migração por motivo da seca e da presença importante de José, que com o decorrer dos tempos foram esquecido e consequentemente sendo escravizado, mas liberto por Deus por intermédio de Moisés no Êxodo se conclui com a presença e posse de Deus na tenda do santuário; No livro do Levítico se inicio com o dialogo de Deus com Moisés e por meio do Profeta a todo seu povo escolhido sempre na tenda do santuário, dando uma atenção especial ao regulamento do Culto, se conclui o livro com a ordem de Deus a Moisés no monte Sinai; O livro dos Números liga o Monte Sinai á tenda do Santuário, e da retomada da marcha à terra prometida e aludindo a Moisés os mandamentos e ás normas dada por Deus na estepe de Moab e concluída com o livro de Deuteronômio já começa com o discurso de Moisés no dia de sua morte na estepe de Moab, o livro é despedida de Moisés e a sucessão de Josué na liderança do povo de Israel.

Continua...

  Pax!

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Reflexão Casual XXIX


“O ser humano em sua maioria é totalmente despreparado para a inteligência que tem, pois ainda hoje em sociedade se faz necessário impor as leis e as próprias religiões para adestrar a mais feroz e bestial ser existente da terra.”

Paulinopax